Sete a cada dez brasileiros acreditam em informações falsas sobre vacinação

Aproximadamente 67% dos brasileiros acreditam em ao menos uma afirmação imprecisa sobre vacinação. O achado é parte do estudo “As Fake News estão nos deixando doentes?”, feito pela Avaaz em parceria com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), com o objetivo de investigar a associação entre a desinformação e a queda nas coberturas vacinais verificadas nos últimos anos.

Leia o relatório.

Para chegar ao resultado, as instituições encomendaram ao IBOPE uma pesquisa com cerca de 2 mil pessoas acima de 16 anos, em todos os estados e no Distrito Federal, respeitando as características demográficas do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, e o nível de confiança é de 95%.

Nana Queiroz, coordenadora de campanhas da Avaaz, diz:

“O Brasil vive uma epidemia de desinformação sobre vacinas. A discussão sobre a desinformação é sempre permeada por extremos políticos. Mas este não é um problema da esquerda ou da direita: é um problema que une toda a sociedade brasileira, pois estamos falando da saúde daqueles que mais amamos. As grandes plataformas precisam mostrar correções às pessoas expostas a essas desinformações. E se não o fizerem por iniciativa própria, o governo precisa garantir que o façam — é uma questão de saúde pública”. 

O trabalho também analisou a atitude em relação à vacinação. A grande maioria (87%) disse nunca ter deixado de se vacinar ou de vacinar uma criança sob seus cuidados. Embora o índice possa parecer bom à primeira vista, quando extrapolamos os 13% de não-vacinantes para toda a população com 16 anos ou mais, ele passa a representar um contingente de mais de 21 milhões de pessoas.

Há, ainda, evidências de que as notícias falsas tenham impactado a decisão de não se vacinar. Entre os que não se vacinaram, 57% relataram pelo menos um motivo considerado como desinformação pelos profissionais da SBIm e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os mais comuns, nesta ordem, foram: “não achei a vacina necessária (31%)”; “medo de ter efeitos colaterais graves após tomar uma vacina (24%)”; “medo de contrair a doença que estava tentando prevenir com a vacina (18%)”; “por causa das notícias, histórias ou alertas que li online (9%) e “por causa dos alertas, notícias e histórias de líderes religiosos” (4%).

“O que os números demonstram é a falta de conhecimento prévio para fazer um julgamento adequado do que é correto e incorreto. Precisamos — profissionais da saúde, sociedades de especialidade e autoridades — ter a mesma disponibilidade para ensinar e esclarecer do que a demonstrada por quem dissemina inverdades. Se não nos empenharmos, é possível vislumbrar um cenário perigoso. O retorno do sarampo já demonstrou isso”, afirma o presidente da SBIm, Juarez Cunha.

Mídias sociais

Foi pedido aos entrevistados que apontassem até três fontes de informação nas quais mais veem ou ouvem informações sobre vacinas. A mídia tradicional, que inclui televisão, rádio, jornais e sites de notícias da grande imprensa, foi a mais mencionada (68%). Mas em segundo lugar estavam as redes sociais, como o Facebook, YouTube, Instagram, além do WhatsApp e demais aplicativos de mensagens instantâneas (48%) — essas fontes se mostraram mais recorrentes que o Ministério da Saúde ou médicos, por exemplo, que aparecem em quarto e quinto lugar respectivamente.

O impacto exato das mídias sociais e aplicativos é complexo, tendo em vista que conversas entre amigos e familiares — eventualmente pautadas por fake news — constam na lista de principais fontes. Mas chama a atenção o fato de que, em todos os aspectos aferidos pelo estudo, as atitudes e percepções negativas, bem como a desinformação, foram mais comuns entre os que citaram as plataformas como fonte de informação sobre vacinas.

EntrevistadosCitam redes sociais e WhatsAPPNão citamPopulação geral
Acreditam em informações imprecisas73%60%67%
Deixaram de se vacinar por informações imprecisas60%40%57%
Consideram as vacinas totalmente seguras49%58%54%
Sentem algum nível de insegurança51%39%45%

Outro ponto investigado foi a frequência com que os brasileiros têm contato com conteúdos contrários à vacinação nas redes sociais. Aproximadamente 38% dos que responderam à pesquisa disseram receber mensagens negativas com alguma regularidade, ao passo que 59% responderam que raramente recebem ou nunca receberam. 

O prejuízo no que diz respeito à visão sobre as vacinas é claro: 72% dos que acreditam que as vacinas são parcialmente inseguras e 59% daqueles que pensam que as vacinas são totalmente inseguras afirmaram que já receberam notícias negativas sobre elas em suas redes sociais e serviços de mensagens.

É importante destacar que os profissionais de saúde e Ministério da Saúde/governo têm um papel relevante ao inspirar confiança nas vacinas. Pessoas que os têm como referência mostram-se mais seguras, ainda que tenham contato com fake news. As categorias, no entanto, ocupam apenas o quarto e o quinto lugar na lista de fontes de informação, respectivamente.

“A vacinação é uma atividade de extrema importância para a saúde pública, portanto o governo deve se esmerar para manter as equipes atualizadas. É fundamental que os profissionais da saúde estejam preparados para responder rapidamente às dúvidas da população diante de situações que não têm o menor embasamento científico”, avalia a vice-presidente da SBIm, Isabella Ballalai. “Além disso, é necessário falar mais sobre vacinação. Em geral, médicos que não tratam crianças demonstram certa resistência. Alegam falta de tempo ou outras prioridades. Perdemos inúmeras oportunidades dessa forma”, lamenta.

Atendimento via Whatsapp whatsapp